10/04/2017

O desmonte de um pais


coxinha Traidores da Patria 215

Violência jurídica sem limites contra Lula. O caso Escola Base virou fichinha diante do que estão fazendo com Lula...e pensar que o rolo compressor formado para detonar Lula é mil vezes mais potente do que aquele que atuou no caso Escola Base: um delegado e a imprensa. Agora temos, além de delegados, promotores, juizes, ministros do STF, imprensa e forças ocultas interessadas em abocanhar o pré-sal e nosso pais como um todo. O que temos agora é uma mega-operação de guerra contra Lula, não por algum crime que ele possa ter cometido, e sim por vendeta politica colocada em prática por uma zelite zelote avessa ao progresso e á defesa do interesse nacional. Lula é vitima de violência juridica não pelo que ele possa ter praticado e sim pelo que ele pensa..e para solapar as conquistas sociais dos 13 anos  em que o pais seguiu seu projeto de um pais desenvolvido e com inclusão social..,,simples assim....





Fome no Brasil foi reduzida em 82% nos últimos 12 anos
A intenção com este post era acompanhar o desmonte do nosso querido Brasil e fazer isso com base nos números, pois os números não mentem. O problema é que o esfacelamento de nosso pais ocorre sob uma velocidade estonteante, ninguém da conta de atualizar os dados, aliás, essa tática de desmonte em alta velocidade não é sem motivo, há todo um conhecimento de causa por trás disso, segundo estudos da ativista Naomi Klein, há um
livro e um video com sobre o tema A doutrina do choque (http://jornalggn.com.br/noticia/a-doutrina-do-choque-de-naomi-klein)

Inicialmente este post tinha outra configuração, uma vez que quando ele teve inicio, ainda não se sabia com clareza o que viria pela frente, além disso muitas imagens foram sumindo...
Veja nesta postagem, imagens do primeiro post:
A SACANAGEM PROSSEGUE: Infográficos demonstram que os golpistas tomaram de assalto um país equilibrado economicamente


Sob Lula e Dilma, o Brasil passou a ocupar os primeiros lugares no ranking da economia em vários setores, no entanto tudo isso está virando pó. Associado ao desmonte, há um discurso da classe dominante sendo incutido nas cabeças das pessoas: trata-se de repetir à exaustão que as políticas de Lula e Dilma eram assistencialistas, quando na verdade eram baseadas no desenvolvimentismo, na soberania e defesa do intereresse e conteúdo nacionais, incluindo-se aqui o oferecimento de oportunidades para brasileiros excluidos durante nossos 500 anos de história, com melhora crescente do salário mínimo, programas de incentivo à educação, incremento dos pequenos negócios e à agricultura familiar, o que dava uma certa sensação de bem-estar e pertencimento em relação ao país e ao dinheiro público que voltava ao povo em forma de créditos, de saúde (Mais Médicos), políticas já encerradas pelo governo golpista.

O QUE MAIS CONTRIBUIU PARA A MELHORA NA RENDAParticipação em % na mudança de rendimento - 2004 a 2014

São vários os setores que estão sendo desmontados, sendo que o processo da Lava Jato, com devido apoio da Globo, foi usado no desmonte:
Os números não mentem: a Lava Jato destruiu nosso pais

Lava Jato desemprega 50 mil brasileiros e brasileiras na indústria naval
Jornal GGN - Obras inacabadas, canteiros vazios, estaleiros sem pagamentos, demissão de 50 mil pessoas em três anos. Este é o cenário do setor naval após dois golpes: primeiro, o da Lava Jato sobre a Petrobras e outras gigantes brasileiras. Segundo, o do impeachment de Dilma Rousseff, que levou Michel Temer ao poder e, com ele, mudanças na política de conteúdo local, na própria estatal de petróleo e nos leilões que agora permitem a concorrência internacional. É o que relata a jornalista Leila Coimbra em reportagem publicada pelo Poder 360, neste domingo (2).
Por Leila Coimbra
Atingido por Lava Jato e competição no exterior, setor naval afunda

No Poder 360

Afetada diretamente pela Operação Lava Jato, a indústria naval brasileira demitiu mais de 50 mil pessoas desde 2014, quando a área de petróleo atingiu seu pico de encomendas.

Agonizando, o setor recebeu novo golpe neste ano: a flexibilização das regras de conteúdo local, uma obrigação contratual dos leilões que garantiam protecionismo à indústria nacional.

http://jornalggn.com.br/noticia/lava-jato-provocou-50-mil-demissoes-no-setor-naval-em-apenas-tres-anos
Como era a indústria naval antes do golpe de Estado

Investimento do Pac 2 na indústria naval brasileira
Lula e Dilma multiplicam por 26 o número de empregos na indústria naval
;'As demandas da Petrobras foram responsáveis pelo grande avanço da indústria naval e pelo desenvolvimento econômico de diferentes regiões do país. Com novo impulso, o setor, que no governo neoliberal empregava apenas 3 mil trabalhadores, hoje emprega 26 vezes mais (78 mil). Outros 25 mil novos postos de trabalho deverão ser gerados nos próximos três anos, segundo estimativa do Sindicato Nacional da Indústria de Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinval).


Saiba mais

http://www.brasildamudanca.com.br/pre-sal/impacto-positivo-sobre-18-setores-da-economia

O golpe de Estado começou a fazer estragos em 2014, com a desorganização da economia como estratégia para a derrubada do governo...tudo muito parecido com o desmonte que ocorreu com o golpe de 1964, o caso Panair por exemplo:
Caso Panair: a violência jurídica de ontem se repete hoje sob o manto da Lava Jato

Posicionei o video no momento em que esse tema, o da violência jurídica, é abordado

Qualquer semelhança com as exceções no processo da Lava Jato não é mera coincidência


Há um clima de perseguição que já vivenciamos na ditadura militar

Voltamos ao AI do Atestado Negativo de Ideologia


Isso também:


“Os Brics, a Petrobras, a indústria autônoma são inaceitáveis. Por isso, alguns agem sistematicamente para que país seja exportador de grãos e importador de valor agregado”.
Por Jean-Claude Bernardet

Os Brics são inaceitáveis. O banco dos Brics, que opere com várias moedas, inclusive o dólar, é inaceitável. Um fundo de apoio (tipo FMI para emergentes) é inaceitável.
Estamos assistindo ao desmonte sistemático de uma potência emergente.
A indústria naval já não é mais competitiva. A Petrobras, desmantelada. As empreiteiras multinacionais desmontadas. Agora a carne.
A Siemens e a Alstom estão cheias de corruptores. Nunca passaria pela cabeça dos judiciários alemão, suíço ou francês destruir as empresas.
Meirelles, Pedro Parente, Moro, a PF são agentes internos dessa operação bem sucedida.
Temer e os bandos do ministério e do parlamento que o apoiam são circunstâncias necessárias ao bom andamento da operação, mas apenas circunstâncias locais nada insubstituíveis.
O Brasil deve ser exportador de grãos e importador de valor agregado (daí a necessidade de desmantelar a educação e qualquer forma de pesquisa).
O dinheiro da sociedade (poupando os ricos) deve ser drenado para pagar os juros da dívida e enriquecer os bancos.
Tenho dito.




A grande obra do Golpe de Estado do PSDB/DEM:
- Destruição da industria naval
- Destrição da industria nuclear
- Destruição da cadeia produtiva da construção civil; fechamento de fábricas de cimento e materiais de construção
- Encerramento do programa Ciências sem Fronteiras
- Aniquilação de todas empreiteiras nacionais de grande porte (Odebrecht, Andrade Gutierres, Camargo Correa, Queirós Galvão, etc)
- Aniquilação da engenharia nacional: extinção de grandes obras
- 5 milhões de desempregados em 3 anos de golpe
- Monitoração do governo americano em empresas de tecnologia como a Embraer e Petrobrás. A Embraer só vende aviões se americanos deixarem.
- Congelamento de investimentos sociais por 20 anos
- Aniquilação da Previdência Social
- Extinção de Direitos Trabalhistas (fim do 13º, férias e FGTS)
- Terceirização massiva, reduzindo salários e aumentando concentração de renda
- Destruição da indústria agropecuária (carnes)
- Déficits primários crescentes (120 bi em 2016, 200 bi previstos em 2017)
- Fuga de capitais produtivos (FNAC, RHODIA, ESTRELA, etc)
- Privataria de empresas públicas sem concorrência e sem formação de preços
- Venda indiscriminada de território nacional para empresas transnacionais
- Aumentos de impostos em andamento
- Judicialização da política
- Maior índice de endividamento da população da história


A troupe golpista, cumprindo ordens da Globo, põe fim ao  programa Ciencia Sem Fronteiras(http://www.ocafezinho.com/2017/04/05/cafeina-desta-semana-discute-o-fim-ciencia-sem-fronteiras/), ao mesmo tempo em que,  por apenas 4 votos, a troupe golpista não conseguiu aprovar o fim do ensino gratuito nas universidades...
Globo pede e Temer acaba com o Ciencia sem Fronteiras


Nóis é Jeca mais é jóia...

Segue post de Eduardo Guimarães sobre o desmonte de um pais cujo projeto era tornar-se um grande pais de classe média, com oportunidades para todos e não como ocorre atualmente, com a supressão de direitos para o povo e o dinheiero público servindo a uma pequena casta de nababos
economia capa

Pouco a pouco, os golpistas vão recuando e recuando e recuando nas tais “reformas” que foram recrutados para impor aos brasileiros. O golpe foi dado para isso, para tirar dos pobres o que Lula e Dilma deram e devolver aos ricos. Mas não estão conseguindo.
Para entender o que está acontecendo no país vamos nos debruçar rapidamente sobre seu problema mais terrível, a concentração de renda. O professor da área de finanças públicas da Universidade de Brasília (UnB), Roberto Bocaccio Piscitelli, vai nos explicar melhor a questão.
Ano passado, logo após o impeachment, ele apontou que o maior legado da gestão petista foi a ascensão de classes promovida pelas políticas dos governos petistas. No início do governo, o Índice de Gini, parâmetro internacional para medição de miséria, era de 0,589. Em 2014, fim do terceiro governo petista consecutivo, o índice caíra a 0,518.
A taxa varia de 0 a 1 e quanto mais próximo a 1, menos distribuição de renda há no país.
O gráfico abaixo mostra o processo inédito que ocorreu nesses 12 anos de governos petistas no país (2003 a 2014). Nesse período, houve a maior distribuição de renda da história. A renda de pobres e ricos se aproximou como jamais ocorrera na história brasileira. Confira o gráfico.
economia 1
Segundo Piscitelli, a política de valorização do salário mínimo, com aumento real, ou seja, acima da inflação, assegurou o crescimento de renda dos trabalhadores. “A valorização do salário mínimo assegurou o crescimento da renda dessas pessoas na base da pirâmide e elevou o salário dessa classe, que recebe até três salários mínimos.
economia 2
As reservas internacionais foram outro fator ressaltado pelos especialistas como ponto forte da gestão petista, que assume o país, em 2003, com um caixa de US$ 38 bilhões e o eleva a quase 400.
economia 3
As reservas, como se sabe, compõem uma espécie de poupança que blinda a economia, ao garantir que o país honrará seus compromissos com credores nacionais e estrangeiros, mesmo em situações de crise.
Com tudo isso, a taxa de desemprego no país se manteve cadente até que a crise política desorganizasse a economia, o que, na verdade, foi uma estratégia dos golpistas, desorganizarem a economia para colocarem a população contra o governo que, durante 12 anos, apoiou efusivamente.
economia 4
Outro ponto da gestão petista que a fez durar mais de uma década foi a melhora salarial. Durante praticamente todo o tempo os salários cresceram sem parar.
economia 5
Só interrompendo essa melhora de vida do trabalhador seria possível tirar o PT do poder. Para isso, foi engendrado um plano que literalmente destruiria a economia brasileira para que a população se revoltasse e autorizasse qualquer aventura que lhe fosse proposta para voltar a ter aquilo que foram os governos petistas que haviam lhe dado.
Porém, os golpistas foram com muita sede ao pode. Após o golpe, acharam que poderiam começar a reverter as conquistas populares da era petista com grande facilidade, devolvendo aos setores microscópicos e abastados da sociedade aquilo que lhes fora tirado para dar aos setores populares.
Afinal, para distribuir renda para muitos você tem que tirar dos poucos que a concentram. Foi tirado pouco dos ricos para dar aos pobres, mas houve que tirar. Não há como fazer um omelete sem quebrar os ovos.
Chega o governo ilegítimo de Michel Temer, produto de um impeachment fajuto, e começa, então, a tentar tirar do povo o que os governos petistas deram. O teto de gastos públicos acaba com o crescimento real do salário mínimo, com os programas sociais, com os gastos sociais todos.
Ou melhor, não acaba. Condena esses gastos a serem menores a cada ano, o que, por sua vez, condena os setores menos favorecidos da sociedade a irem piorando de vida ano após ano.
Em seguida, viria a parte mais difícil. O teto de gastos foi fácil de aprovar porque as pessoas não entendem direito o que foi feito, mas agora os golpistas queriam reduzir drasticamente os salários que tanto cresceram durante a era petista.
Tentaram aprovar uma reforma trabalhista que acabaria com direitos dos trabalhadores como FGTS, férias, 13º salário etc., mas o país estremeceu quando a sociedade ouviu essa proposta do governo que deixou que se instalasse achando que lhe devolveria o que ganhara do PT e a crise política estava tirando.
Surge uma ideia: terceirização. Contratar empregados por fora da CLT permitiria não acabar com direitos trabalhistas, mas evitando de pagá-los em um regime de contração que não dá direito algum ao contratado.
A terceirização generalizada, porém, é tão virulenta, tão nociva, promoverá uma desgraça tão completa na vida das pessoas que até a Justiça interveio.
Mas o Waterloo dos golpistas está sendo a reforma da Previdência. Qualquer estúpido entende o que são os entraves aos brasileiros se aposentarem.
Vendo a investida dos golpistas para lhe retirar direitos, os brasileiros começam a sentir o que pesquisa publicada pelo jornal Valor Econômico chamou de “saudade de Lula”. Com isso, os tucanos, que em um primeiro momento lucraram politicamente com o golpe, afundam nas pesquisas enquanto o ex-presidente petista se fortalece a cada nova sondagem.
Este Blog já dizia, quando o impeachment começou a se consolidar, que a melhor forma de ensinar o brasileiro a ser mais esperto seria deixar os golpistas assumirem e governarem, porque, sim, os brasileiros são conservadores, mas nos valores, não na economia.
Há amplos estudos que mostram que os brasileiros são conservadores em temas como aborto, homossexualidade, punibilidade de criminosos, mas são praticamente marxistas na economia.
Esses estudos mostram que, no Brasil, há amplo consenso da população de que devemos construir um abrangente Estado de bem-estar social, à imagem dos vigentes na Europa continental, como sistematizado na Constituição de 1988 e referendado em todos os pleitos eleitorais posteriores.
Eis por que Lula cresce nas pesquisas sem parar enquanto que os tucanos e peemedebistas despencam, porque eles vêm atuando para retirar direitos, “precarizar” o mercado de trabalho sem se dar conta de que os brasileiros, em maioria, rejeitam os valores de esquerda, mas amam os conceitos esquerdistas sobre economia.
O único direitista que está sabendo equilibrar o discurso é Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Ele vem prometendo a violência social e o conservadorismo nos costumes que a maioria dos brasileiros aprecia, mas prometendo um Estado protetor, pródigo na distribuição de direitos e benefícios.
Claro que é uma falácia. Uma vez eleito, ele governaria com a direita exterminadora de direitos, neoliberal, e sob a influência direta dos Estados Unidos, autor intelectual dessa retirada de direitos.
Em 3 anos Lava Jato desempregou 740 mil brasileiros
Alguém me explica porque nossa zelite zelote não defendeu o interesse nacional durante a dilapidação da rede de petróleo e gás pela Lava Jato, com a mesma determinação com que defendeu o setor de carnes na operação Carne Fraca...

A própósito
Em três anos de operação, a Lava Jato deixou um rastro de 740 mil demissões; cerca de 300 mil nas empreiteiras envolvidas — Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Engevix, Queiroz Galvão e UTC.
Só na Odebrecht, cerca de 100 mil funcionários foram mandados embora desde que a operação teve início.
Como as informações referentes a 2016 estão disponíveis para apenas parte do grupo - Andrade, UTC e Engevix enviaram números atualizados e os dados da Odebrecht foram coletados com fontes do setor - o saldo negativo é certamente superior. Para efeito de comparação, a Associação das Empresas de Serviços de Petróleo estima que o setor de óleo e gás, outro que reduziu drasticamente de tamanho desde o início da operação, perdeu 440 mil empregos entre 2013 e 2016.
As informações são de reportagem do Valor.
"Proporcionalmente, o maior corte foi feito pela Engevix, que reduziu o quadro de funcionários de 3,5 mil para 469, queda de mais de 80%. Em termos absolutos, o saldo mais negativo foi o da Andrade Gutierrez, que fechou 144,9 mil dos 251,9 mil postos que mantinha em 2013. A assessoria de imprensa da empresa ressalta que a estimativa para o dado fechado de 2016 é parcial, e que a redução de pessoal entre 20% e 25% na comparação com 2015 inclui desinvestimentos e vendas de ativos feitos pelo grupo no ano passado.
Na UTC, o volume de colaboradores encolheu de 27,4 mil em 2013 para 8,3 mil no ano passado, queda de 70%. O grupo Odebrecht reduziu o quadro a 85 mil em 2016, depois de registrar 181,5 mil contratados em 2013, entre engenheiros, profissionais de recursos humanos, de áreas administrativas e trabalhadores da construção civil. O número, contudo, não é oficial.
Procurada, a empresa afirmou que o último dado disponível é o de 2015. 'Nos últimos três anos houve forte impacto da crise econômica sobre as empresas e o emprego no Brasil. O PIB teve queda acumulada de 7,2% apenas de 2015 para cá. O resultado é que hoje temos no país 13 milhões de desempregados. A crise repercutiu de forma diferente em cada empresa e em cada setor da economia. Em alguns casos, houve mesmo desligamentos por aumento de produtividade, venda de empresas e mudança de rumo de políticas públicas. Em outros houve até expansão de negócios e contratações. Ainda estamos fazendo um levantamento desses impactos', diz a nota."

VIA Brasil 247

Posts relacionados

A Vaza Jato é uma grande farsa: quem deveria estar preso, está solto...quem de fato roubou, foi liberado pelo Moro, que hoje se ocupa com duas tarefas: lawfare contra Lula e perseguição a jornalistas
Um dos principais personagens da Lava-Jato vai para prisão domiciliar
O doleiro Alberto Youssef deixa hoje a sede da Polícia Federal, em Curitiba, para cumprir prisão domiciliar em São Paulo
Em 2015 a Lava Jato já havia dado prejuizo de 140 bi de reais
Delação na Lava Jato já reduz penas em 326 anos
Análise de 15 colaborações premiadas revela o perdão de ao menos 28% do total de 1.149 anos de prisão aplicado pelo juiz Sérgio Moro nas sentenças de 1ª instância
Se é verdade que a Lava Jato recuperou 10 bi, kd o dinheiro,,,foi parar nos bolsos dos delatores premiados? A Petrobrás só recebeu 661 milhões de reais....


quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Âncora

DILMA MANTÉM AS MENORES TAXAS DE JUROS DOS ÚLTIMOS 25 ANOS






Crédito, recessão e a evolução das taxas de juros no Brasil

Por Diogo Costa, no "Jornal GGN" 

TAXAS REAIS DE JUROS PÓS PLANO REAL (1995 a 2016) (1) 

"Ao contrário do que o senso comum imagina, o governo Dilma mantém as menores taxas reais de juros das últimas décadas.

taxa real de juros é calculada com base na média dos juros nominais de um ano, descontando a inflação do mesmo período (equação de Fisher). A taxa real de juros é importante, pois é com base nela que os investidores avaliam a pertinência e a lucratividade de uma expansão produtiva.

Não é por conta da taxa real de juros que o Brasil está em recessão. Quem fala do "aperto monetário" como causa única da atual crise se equivoca rotundamente.

Segue o histórico recente das taxas reais de juros:

1) Governo FHC (1995 a 2002)

1.1 Primeiro mandato

-1995: 25,1%;
-1996: 16,0%;
-1997: 18,5%;
-1998: 22,2%;
-média simples do primeiro mandato: 20,4%.

1.2 Segundo mandato

-1999: 14,3%;
-2000: 11,0%;
-2001: 9,1%;
-2002: 5,9%;
-média simples do segundo mandato: 10,0%.

1.3 Média simples nos mandatos de FHC: 15,2%.

2) Governo Lula (2003 a 2010)

2.1 Primeiro mandato
-2003: 13,0%;
-2004: 8,2%;
-2005: 12,7%;
-2006: 11,8%;
-média simples do primeiro mandato: 11,4%.

2.2 Segundo mandato

-2007: 7,3%;
-2008: 6,2%;
-2009: 5,6%;
-2010: 3,8%;
-média simples do segundo mandato: 5,7%.

2.3 Média simples nos mandatos de Lula: 8,5%.

3) Governo Dilma (2011 a 2016)

3.1 Primeiro mandato

-2011: 4,9%;
-2012: 2,4%;
-2013: 2,3%
-2014: 4,3%;
-média simples do primeiro mandato: 3,4%.

3.2 Segundo mandato

-2015: 2,6%;
-2016: 7,2%;
-média simples do segundo mandato: 4,9%.

3.3 Média simples nos mandatos de Dilma: 3,9%.
Vamos agora, para reforçar bem a percepção dos leitores, repetir alguns números e agregar outros, também significativos:

4) Médias simples da taxa real de juros no Brasil

4.1 Média simples nos mandatos de FHC: 15,2%;
4.2 Média simples nos mandatos de Lula: 8,5%;
4.3 Média simples nos mandatos de Dilma: 3,9%;
4.4 Média simples nos governos do PT: 6,5%;
4.5 Média simples no pós Plano Real: 9,7%.

Notem, por fim, que a taxa real de juros no governo Dilma tem uma média que é de menos da metade do que existia no governo Lula e representa apenas 1/4 da média que tínhamos no governo FHC.

Sem dúvida alguma, o governo Dilma é o que tem as menores taxas reais de juros dos últimos 25 anos.

As três menores taxas reais de juros das últimas décadas (verificadas em 2012, 2013 e 2015) aconteceram justamente no governo de Dilma Rousseff.

A recessão que vivemos tem vários fatores, entre eles a normalização da política monetária nos EUA, o arrefecimento econômico da China, a queda brutal no valor das 'commodities' (por exemplo: a cotação do petróleo caiu 70% em 18 meses e o minério de ferro caiu 80% em 5 anos), o montante exagerado de renúncias fiscais etc.

A crise política, com um golpe de estado sendo tentado de forma frenética desde o dia 26 de outubro de 2014, com certeza contribui de maneira decisiva para o agravamento da situação.

Para quem é inocente o suficiente, vale lembrar que a Argentina, com um "novo, moderno, eficiente e dinâmico" governo, adulado pelos liberais, terá recessão já em 2016. Ou seja, o problema não é um governo de esquerda naquele país ou no Brasil, mas sim as condições estruturais e conjunturais que se fazem presente no mundo.

Vale a recordação de que o grosso dos investimentos feitos no Brasil tem captação de crédito feita via BNDES.

O primeiro mandato da presidenta Dilma terminou com a menor TJLP (taxa de juros de longo prazo, utilizada como referência para os empréstimos do BNDES) da história, na casa dos 5% ao ano, e com uma taxa Selic de 11,75% ao ano.

No final de 2014, portanto, a diferença entre a TJLP e a taxa Selic era de 6,75%. Essa diferença percentual de 6,75% ao ano - a título de crédito subsidiado ao setor produtivo - é rigorosamente igual ao que temos atualmente (em que pese a TJLP estar hoje em 7,5% ao ano).

Vejam como o subsídio é o mesmo:

-Diferença entre a Selic e a TJLP

1) final de 2014: 6,75% ao ano;
2) início de 2016: 6,75% ao ano.

Isso quer dizer que o governo federal continua subsidiando o crédito destinado ao setor produtivo, da mesmíssima forma que fazia até 2014.

Ressalte-se que, em 2015, além do subsídio igual ao do ano anterior, a taxa real de juros da TJLP ficou negativa e disso, além do custo bilionário que o subsídio impõe ao Tesouro Nacional, quase ninguém fala.

(1) OBS: A taxa real de juros de 2016 é apenas uma estimativa. Foi calculada com base numa inflação de 6,5% e na manutenção da taxa Selic em 14,25% durante todo o ano de 2016. Ou seja, esse índice está sujeito a variações."


FONTE: escrito por Diogo Costa, no "Jornal GGN". Transcrito no blog "O Cafezinho"  (http://www.ocafezinho.com/2016/01/25/credito-recessao-e-a-evolucao-das-taxas-de-juros-no-brasil-por-diogo-costa/).




Ué,  até dias atrás o pais não estava quebrado? Como desquebrou assim tão de repente, heim Serra...
Antes de tudo, cínicos...

Tão logo afastaram Dilma, o discurso da imprensa golpista mudou..


Na sequência o usurpador comete a impropriedade de afirmar que  "recebeu uma herança complicada"..,.como assim????

Duas coisas:

1- Temer, você "não recebeu" e sim roubou, usurpou a democracia, surrupiou na calada da noite o voto de 54 milhões de brasileiros..,..o triste é constatarmos que o Brasil é o pais da descontinuidade: quando a adminstração, seja ela local, estadual ou federal encontra-se no buraco, o povo elege um governo progressista que, após, arrumar a economia e implementar politicas de inclusão, a direita volta, senão pelo voto após acirrada campanha de oposição na imprensa, dão um golpe

2- Temer, no momento em que você e sua gangue incrustada no Congresso Nacional, apoiado por Instituições sem compromisso com a democracia e uma imprensa venal tomou de assalto o Poder Executivo,  a economia, apesar do discurso contrário da imprensa golpista, era equilibrada, conforme mostraremos a seguir..,..o que vocês estão fazendo senão gastar bilhões de reais para comprar votos que garantam o golpe do impixam, o que vocês estão fazendo senão solapar as conquistas do povo brasileiro, hein:

Diferentemente do que disse o presidente interino Michel Temer, que reclamou, em entrevista à imprensa, de uma suposta herança maldita, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, desmontou, em nota, nesta sexta (24), a tese de seu chefe; "A situação do Brasil é de solidez e segurança porque os fundamentos são robustos. O país tem expressivo volume de reservas internacionais e o ingresso de investimento direto estrangeiro tem sido suficiente para financiar as transações correntes. As condições de financiamento da dívida pública brasileira permanecem sólidas neste momento de volatilidade nos mercados financeiros em função de eventos externos. O Tesouro Nacional conta com amplo colchão de liquidez", afirmou Meirelles

Segue link para texto na íntegra

O quebra-cabeça do capital, geopolítica e da crise política brasileira, por Piero Leirner
"O grande problema que vejo, daqui para frente, é como desarmar o resto da bomba relógio que foi montada para explodir a bolha petista. Como resultado, vimos que vários setores do estado adquiriram uma inércia gigantesca, no sentido de realizar um movimento de autonomização e ataque aos poderes vizinhos. Além disso, o capital espera aflitamente que um novo sopro de ar dê fôlego para que sua dinâmica baseada no ciclo de retroalimentação da papelada continue, e assim o valor de face de seus papéis seja retomado aos níveis de 2010, pelo menos. Não há muita alternativa aí: face a isso, a conta só pode ser paga com venda de patrimônio e/ou com aumento da extração de mais-valia. Esses serão os pontos que veremos nos próximos dois anos, em minha opinião.


Já se sabe que a Lava Jato, devido ao seu uso politico para derrotar o PT, já provocou centenas de bilhões de reais de prejuizos aos cofres publicos...em troca de que mesmo? Os ladrões delatores, os que de fato roubaram da Petrobrás, foram liberados pelo Moro após receberem premios pra dizerem alguma coisa contra o PT,,,além de premios ganharam a liberade e estão por ai, nas prais, nas suas mansões de luxo e iates comprados com  a grana roubada e que nem foram obrigados a devolver...o Moro só teve o cuidado de tomar a casa de uma anciã de 90 anos, a mãe de Ze Dirceu...

No ano analisado, os investimentos da Petrobras foram superiores a R$ 90 bilhões, contra menos de R$ 25 bilhões da Vale e pouco mais de R$ 20 bilhões das demais empresas.

OS NÚMEROS DE MAIO, por Mauro Santayana



 


 

Contrariando as "previsões" da mídia e do "mercado", o Brasil registrou, no mês passado, superávit de 1.2 bilhões de dólares em transações correntes, devido, principalmente, a um superávit de mais de 6 bilhões de dólares no comércio com outros países, que chegou a quase 20 bilhões de dólares nos primeiros 5 meses do ano.


Em maio, o Investimento Estrangeiro Direto também foi de mais de 6 bilhões de dólares, completando, nos últimos 12 meses, cerca de 79 bilhões de dólares, uma gigantesca soma de mais de 260 bilhões de reais.


Esse é o país - com 374 bilhões de dólares em reservas internacionais, quase um trilhão e quinhentos bilhões de reais guardados - que o  consenso de boa parte da mídia e da massa ignara que domina as redes sociais e o espaço de comentários dos jornais e portais aponta como um país destruído, economicamente  quebrado e sem credibilidade nos mercados internacionais.


Agora, resta saber se os "gênios" do PT - considerando-se que o partido estará sentado no banco dos réus, junto com ela,  no julgamento do impeachment pelo Senado -   vão aludir a dados como estes na defesa da Presidente Dilma, e outros, como o da diminuição da Dívida Pública Bruta e da Dívida Líquida de 2002 até agora, ou se vão continuar recorrendo ao "mimimi" e à retórica contraprodutiva na hora de defender a verdade dos fatos da massacrante consolidação dos mitos e paradigmas de seus inimigos junto à opinião pública.

http://www.maurosantayana.com/

Foto de Alinne Maria.


"Entre os dias 15 e 16 de junho, a Fundação Perseu Abramo (FPA) promoveu o seminário “O Brasil do Golpe: o Plano Temer sob análise”. Na pauta, o desmonte das políticas sociais, culturais e emancipatórias (leia mais aqui) e, evidentemente, o retrocesso neoliberal na economia.

A subordinação externa do país e a política econômica, imposta pelo governo golpista, foram debatidas por Arno Augustin (economista e ex-secretário do Tesouro Nacional), Gilmar Mauro (dirigente nacional do MST) e Giorgio Romano (Universidade Federal do ABC - UFABC). 

Ao analisar a eficácia da política econômica, em curso, Augustin foi categórico: “todos os dados econômicos mostram que a política econômica recessiva, de diminuição do tamanho do Estado, gera piora nas contas públicas e aumento do desemprego. Ela não gera crescimento econômico”.

A saída é justamente o contrário, apontou, ao explicitar como os governos Lula e Dilma, entre 2003 e 2014, superaram as restrições ao crescimento econômico, a partir de “um Estado que atuou conscientemente” estimulando os investimentos no país a partir do financiamento, a baixo custo, pelos bancos públicos; de melhorias na infraestrutura; e da distribuição de renda, através das políticas sociais, criando um dinâmico mercado interno.

Neste período, destacou, o Tesouro Nacional emprestou quase R$ 500 bilhões ao BNDES. “Esses recursos foram jogados na economia sob a forma de financiamentos com baixo custo que fazem com que o país tenha – e teve - melhorias nos seus níveis de formação bruta de capital”. Essas medidas, explicou, “estavam criando um Brasil soberano”, capaz de “trabalhar com um crescimento de médio e longo prazo mesmo em situações de crises e difíceis”. 

O golpe, porém, encerrou este processo. 
saiba mais 




Primeiramente, #ForaTemer.,,,e volta prá escola dona Marcela...
Malu Aires disse: Marcela Temer, não somos "maus perdedores". Somos 54,5 milhões de brasileiros TRAÍDOS por teu marido - um golpista, um homem sem decência, sem moral e com milhões em propinas delatadas a nos dar satisfação. Nós, os 54,5 milhões de brasileiros, não votamos no TEU MARIDO, um caronista vigarista. Ele, coitado, não tinha capital político nem pra ser deputado. Hoje, veja só a senhora, ele está inelegível. Mau perdedor é ele, maus perdedores são vocês que, não podendo ganhar uma eleição com as urnas, de forma limpa, civilizada, ética, democrática, ganham no dolo, no GOLPE DE ESTADO. Isso é deprimente, dona Marcela. Deprimente, dona Marcela, porque Golpe não é vitória. É atestado histórico de derrota. Não finja que teus dias não são de medo e vergonha, porque são. Vocês não vão roubar a Democracia brasileira e nos mandar pro Haiti, Bolívia ou Coréia (xenofobia também é coisa feia, primeira-dama golpista). Tua visão sobre Democracia é mais estúpida que teu português. Cale a boca! Depois de apunhalados pelas costas, não somos obrigados a passar vergonha alheia.
Resposta dada a primeira dama interina golpista, uma figura que se encaixaria muito bem em realy shows da linha "Eu Sou Rica[e sem cultura],"  vamos à realidade dos fatos:
Nada como os números para se desmontar o discurso dos golpistas segundo o qual o Brasil entrou em ruina a partir de 2002, com a eleição de Lula à presidência:
A par do que apregoam por ai as marcelas da vida, os golpistas, conforme afirmou o própiro MF no início desta coletânea, recebem um pais economicamente equilibrado. Lamentável que o Brasil esteja submetido a esta lógica perversa da descontinuidade, volta e meia os golpistas tomam o poder na marrar e começam a desmontar tudo o que foi conquistado. Triste.
Foto de Robério Correia.
Robério Correia
6 h
Tio Sam vai ficar very happy!!!
Pré-sal chega a 1 milhão de barris/dia com apenas 52 poços produtores.http://ow.ly/7iw53016rQg
RT@bobjackk
Achei por bem postar salvar estes dados sobre a indústria do petróleo que, apesar de todos os ataques possíveis contra a Petrobrás, seu quadro atual é promissor e o futuro melhor ainda, claro, se o governo usurpador não entregar tudo isso para os abutres 

O Brasil de 2002 a 2013

Prof. Luiz Alberto de Viana Moniz Bandeira, cientista brasileiro radicado na Alemanha.
1. Produto Interno Bruto:
2002 – R$ 1,48 trilhões
2013 – R$ 4,84 trilhões
2. PIB – Produto Interno Bruto por pessoa
2002 – R$ 7,6 mil
2013 – R$ 24,1 mil
3. Dívida líquida do setor público:
2002 – 60% do PIB
2013 – 34% do PIB (quase metade)
4. Lucro do BNDES:
2002 – R$ 550 milhões
2013 – R$ 8,15 bilhões
5. Lucro do Banco do Brasil:
2002 – R$ 2 bilhões
2013 – R$ 15,8 bilhões
6. Lucro da Caixa Econômica Federal:
2002 – R$ 1,1 bilhões
2013 – R$ 6,7 bilhões
7. Produção de veículos:
2002 – 1,8 milhões
2013 – 3,7 milhões
8. Safra Agrícola:
2002 – 97 milhões de toneladas
2013 – 188 milhões de toneladas
9. Investimento Estrangeiro Direto:
2002 – 16,6 bilhões de dólares
2013 – 64 bilhões de dólares
10. Reservas Internacionais:
2002 – 37 bilhões de dólares
2013 – 375,8 bilhões de dólares
11. Índice Bovespa:
2002 – 11.268 pontos
2013 – 51.507 pontos

12. Empregos Gerados:
Governo FHC – 627 mil/ano
Governos Lula e Dilma – 1,79 milhões/ano
13. Taxa de Desemprego:
2002 – 12,2%
2013 – 5,4%
14. Valor de Mercado da Petrobras:
2002 – R$ 15,5 bilhões
2014 – R$ 104,9 bilhões
15. Lucro médio da Petrobras:
Governo FHC – R$ 4,2 bilhões/ano
Governo Dilma – R$ 25,6 bilhões/ano
16. Falências Requeridas empresas em Média/ano:
Governo FHC – 25.587
Governos Lula e Dilma – 5.795
17. Salário Mínimo:
2002 – R$ 200 (1,42 cestas básicas)
2014 – R$ 724 (2,24 cestas básicas)
18. Dívida Externa em Relação às Reservas:
2002 – 557%
2014 – 81%
19. Posição entre as Economias do Mundo:
2002 – 13ª
2014 – 7ª
20. PROUNI – 1,2 milhões de bolsas para estudantes universitários
21. Salário Mínimo Convertido em Dólares:
2002 – 86,21 dólares
2014 – 305,00 dólares
22. Passagens Aéreas Vendidas:
2002 – 33 milhões
2013 – 100 milhões


A evolução do B o Brics
El crecimiento de las economías de los BRICS
Sobre a particiapação do Brasil no Brics, para ler o texto na íntegra, sugue link
Da campanha dos EUA contra o BRICS
[video:https://www.youtube.com/watch?v=tBxWvf7Q79s]
O Brasil no Mercosul
Vamos a outros estudos:
Os dados abaixo, do Banco Central, confirmam que o golpista Michel Temer (PMDB) recebe o país equilibrado economicamente. Muitos podem dizer: "Como, se a 'grande' mídia mostra o contrário? A 'grande' mídia é golpista, meus caros!
Economia forte é a base do desenvolvimento sustentável do Brasil

Saiba mais
Dados do Banco Central confirmam que Temer recebe país equilibrado economicamente
Só para constar: Hoje, 11 de Maio de 2016, dia da consumação do Golpe contra Dilma, temos os seguintes dados a respeito da economia brasileira
Veja e acesse os links no final:

1) As reservas internacionais líquidas do Brasil são de US$ 376,3 bilhões (eram de apenas US$ 16 bilhões em 2002).
Elas superam, com folga, toda a dívida externa do país, que é de US$ 333,6 bilhões.
Assim, o Brasil é credor externo líquido em US$ 42,7 bilhões.
2) O Brasil é credor do FMI:
3) A dívida pública líquida é de 38,9% do PIB (era de 60,4% do PIB em 2002).
4) Os investimentos externos produtivos (IED) no Brasil foram de US$ 78,9 bilhões nos últimos 12 meses (Abril 2015 a Março 2016), sendo equivalentes a 4,56% do PIB;
5) O Brasil tem o 7o. maior PIB mundial (era o 13o. em 2002);
6) A Renda per Capita é de US$ 10.000 (era de US$ 2.500 em 2002);
7) A taxa de inflação está despencando e deverá fechar, segundo o Banco Central, perto do teto da meta em 2016, ficando próxima de 6,5% no acumulado do ano. Para 2017, já se prevê uma taxa de inflação perto do centro da meta (de 4,5%);
8) O salário mínimo é de R$ 880,00, equivalente a cerca de US$ 250 (era de US$ 55 em 2002);
9) O déficit externo, em transações correntes, está em 2,39% do PIB, no acumulado de 12 meses (terminado em Março de 2016), e continua caindo rapidamente;
10) O Superávit comercial foi de US$ 19,7 bilhões em 2015, já acumulou US$ 14,5 bilhões em 2016, sendo que estimativas apontam que o mesmo poderá chegar a US$ 50 bilhões neste ano.


Vou aproveitar e colar aqui outros dados:

Bom deixar isso aqui como lembrança já que os brasileiros vivemos sob manipulação da midia durante as 24 horas do dia pregando que o país tá quebrado e etc e tal...

Conquistas Sociais da Era Social-Desenvolvimentista sob Ameaça Neoliberal





Ascensão e Queda do Social-Desenvolvimentismo


Progresso na redução da pobrezaFontes de redução da pobrezaQueda da desigualdade salarial

Daniel Rittner (Valor, 16/05/16) adverte que a perspectiva sombria da economia brasileira após o golpe de Estado dos reacionários coloca em risco os avanços sociais conquistados pelo Brasil nos últimos 15 anos. O aumento da inflação está corroendo o valor das transferências sociais, as dificuldades econômicas têm o potencial de aprofundar conflitos fundiários, pode haveraumento da violência urbana. As constatações aparecem em um amplo relatório do Banco Mundial: WB – Retomando o Caminho para a Inclusão, o Crescimento e a Sustentabilidade – Sumario Executivo.16.05.16.
No “Diagnóstico Sistemático do País“, um estudo feito a cada quatro ou cinco anos para servir de roteiro às suas ações em cada nação onde atua, o organismo multilateral afirma que “alguns brasileiros estão se perguntando se os ganhos da última década não teriam sido uma ilusão”.
A resposta a esse questionamento vem em seguida: não, “com ressalvas”. O progresso social descrito no relatório – um contingente de 24,6 milhões de pessoais saiu da pobreza entre 2001 e 2013 – pode ser preservado e até ampliado. Para evitar retrocesso, no entanto, um ajuste fiscal deve ter foco: reforma no sistema previdenciário, redução dos desperdícios, revogação de subsídios ineficientes e realocação de recursos para serviços que beneficiem “B40”. Essa é a parcela da sociedade, os 40% mais pobres – “bottom 40%” em inglês -, que o banco considera prioritário para as políticas públicas.
As tentativas de ajuste fiscal até agora foram dificultadas por um “generoso” sistema de Previdência Social e pela “rigidez” dos gastos obrigatórios. O relatório vai longe no tempo ao resgatar que a Constituição de 1988 teve um nítida orientação de fomentar o bem-estar e consagrar benefícios sociais, mas sem ignorar os interesses “das ainda poderosas elites tradicionais”. Os reflexos das benesses mantidas ao topo da pirâmide, como pensões e aposentadorias, tiveram influência nas finanças públicas ao longo das três décadas seguintes.
Para o banco, fatores como o fim do superciclo das commodities e o aumento dos desequilíbrios econômicos pelo prolongamento em demasia dos estímulos pós-crise complicaram a solução. “Em última análise, o Brasil enfrenta o dilema de solucionar as injustiças nos gastos públicos, reduzindo as transferências para aqueles em melhor situação, ou contemplar a necessidade dedesativar programas sociais e reverter algumas das conquistas da década de ouro.”
Considerado uma espécie de exemplo global, o Brasil da “década de ouro” [Era Social-desenvolvimentista] teve uma taxa líquida de geração de empregos perto de 2% ao ano e conseguiu reduzir a desigualdade medida pelo Coeficiente de Gini de 0,59 para 0,53. O desempenho do mercado de trabalho foi o principal determinante da redução da pobreza e da prosperidade compartilhada, segundo as estatísticas usadas pelo banco. No entanto, 62% do declínio da pobreza extrema (miséria) entre 2004 e 2013 deve-se a rendimentos não salariais, sobretudo transferências do programa Bolsa Família.
Com a mudança na perspectiva econômica, afirma o relatório do Bird, ficaram visíveis duas deficiências fundamentais. Uma delas é a incapacidade de gerar um crescimento mais forte da produtividade. “Essa deficiência está refletida no declínio gradual da capacidade industrial, na pequena participação dos produtos de alta tecnologia em suas exportações, na tendência de criação de empregos em serviços de baixa produtividade, como bufês e trabalhos domésticos.”
O relatório expõe dados alarmantes para ilustrar isso: o peso da regulamentação excessiva faz com que sejam necessários 83,6 dias para abrir uma nova empresa no Brasil – são 6,3 dias no México e quatro na Coreia. As exportações de alta tecnologia representam apenas 3,7% das vendas brasileiras – um quarto da participação mexicana, por exemplo.
A segunda deficiência diz respeito à insustentabilidade das finanças públicas. O diretor do Banco Mundial no Brasil, Martin Raiser, lembra que os gastos previdenciários no país chegam a 12% do PIB – um padrão europeu, mas com um perfil demográfico completamente distinto.
Raiser e o coordenador do diagnóstico, Roland Clarke, explicam que as conclusões já foram apresentadas ao governo e serão discutidas agora com a sociedade civil. Uma série de debates está agendada. O diretor ressalta, porém, que não se trata de uma recomendação de propostas.
O papel do Banco Mundial não é oferecer uma agenda, mas fazer um diagnóstico.Se não começarmos o debate com base em um diagnóstico claro, ele será feito de forma irrealista”, afirma Raiser.“Escolher uma agenda para o futuro cabe aos brasileiros.”

"Crime de lesa-pátria!" por Roberto Moraes
Escreve o engenheiro e professor Roberto Moraes: As notícias oficiais que saem da Petrobras contradizem os discursos do presidente interino da estatal e da República. A empresa segue com resultados excelentes, apesar da sangria dos bandidos, levando à conclusão de que a venda da “Joia da coroa” que tem custo de extração no pré-sal a U$ 8 por barril só pode ser classificado como crime de lesa-pátria!

Foto de Rogério Cezar de Cerqueira Leite.

Golpistas querem entregar o pré-sal a petroleiras estrangeiras,,...como se sabe, o Brasil já ultrapassou a marca do 1 milhão de barris/dia face à exploração do pré-sal



Sobre o Estado Social, ou seja, o povo como destinatário do dinheiro e serviços públicos:

Segue link para o texto na íntegra

Visite o site de Cerqueira Leite -  CLIQUE AQUI

Outra pesquisa: o estranho ataque do pig a Temer

Sonegação, o grande problema brasileiro
Sonegação furta R$ 550 bi somente em 2015

Neoliberalismo, a raiz de todos os males


CONCLUINDO...

A nossa zelite zelote atua com grande maestria e competência para, através do Poder Verbalizador comandado pela Globo, formar subjetividades no sentido de impor seu discurso às massas, como se fosse defesa de interesses da população  quando na verdade se trata de defesa de projeto dela zelite zelote.

Repetindo o discurso/desejo de seus algozes, classe média exige a morte civil e política de Lula



Estrutura e superestrutura nos dias atuais


Rubens Bauer Naveira: O suicídio da classe média


Murilo Lima Botelho: O sucidio da classe media


Jessé de Souza: O sucidio da classe média


Video: Marilena Chaui sobre a ideologia neoliberal incutida nas massas


A saida...

Vc tem...nós temos...há de ser coletiva: todos juntos, que grupos de 30 pessoas atuando/pensando possam, de 30 em 30,  se ajuntarem aos milhões nas ruas, afinal de contas a Senzala deste pais precisa fazer o que nunca fez: rebelar-se...

    Nenhum comentário:

    A História do SPIN