22/05/2017

Tínhamos a arte para que buscássemos a verdade

Sobre o método de conhecimento baseado nos sonhos, sinais, percepção de padrão vibracional, conjecturas, códigos, coincidências etc...

"O presente artigo trata do importante papel do paradigma indiciário no interior das ciências humanas e de sua estreita relação com a semiologia médica. O autor procura mostrar que assim como o médico produz seus diagnósticos observando, investigando os sintomas, assim muitos outros saberes indiciários produzem um conhecimento lendo e interpretando os sinais, as pistas e os indícios(..)" (link para a fonte, no final do poste).


"O protesto começou no início da tarde e quando os manifestantes, alguns com o rosto coberto, chegaram próximos à grade que foi colocada para isolar a área do Congresso, do Palácio do Planalto e do Supremo Tribunal Federal (STF), a Polícia do Distrito Federal reagiu com bombas de efeito moral." (O jornal O G, spin verbalizador, pessoa jurídica é o dono da frase aspada e da foto abaixo...no entanto não posso citar nomes de indivíduos de vibração carregada, seja ele animal, humano ou judídico, isso porque os nomes provocam o que eles simbolizam olham são).


Para falar a verdade, esse método de conhecimento através dos indícios e sinais é ultra-complicado, trata-se de um assunto inacabado, tão incerto como a obra  Os Bichos, de Lygia Clack, ou a Fita de Moebius, esses objetos que, sem forma, se reconfiguram infinitamente.




Misterioso, não há como explicar porque inacabado, falho...
ou será que o mundo é para ser sentido e não para ser explicado
(   ) Post em construção ad eternum...




Vi agora, 27/5/17, sábado,  ao procurar por obra aberta, de Umberto Eco...e a mim ou ao personagem spin se me ou lhe apresenta isso: um hexágono em chamas: atearam fogo no Ministério da Cultura...dizem que os autores foram infiltrados pela PM2 serviço secretos de órgãos de repressão, para que o estado de sítio imposto pelo chefe da quadrilha fosse justificado, para que as mortes foram justificadas, assim como as mortes de 10 jovens camponeses em Redenção ...

Engraçado, eu já expus na galeria do Ministério da Cultura, foi no início deste século, não me lembro das obras...

"Vândalos infiltrados na manifestação dos sindicatos provocaram quebra-quebra contra prédios dos ministérios. Armados com paus e mastros de bandeiras, eles quebraram o vidro dos edifícios e foram retirados por integrantes da Força Nacional.




No pós-obra acudiram-me e cavaleiros, todos de chapéu na mão...

O cavaleiro 1 trouxe a frase: Temos a arte para não morrer de verdade
O cavaleiro 2: Tínhamos a arte para que encontrássemos a verdade
O cavaleiro 3: Tínhamos a arte para que buscássemos a verdade



Como começou esta história 

Ao ver a imagem acima abaixo, a minha foto de perfil recortada, pensei que fosse não eu mas um personagem do  filme Laranja Mecânica, talvez devido aos  cílios no olho direito...ao printar os cilios sumiram mas ainda dá para perceber.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas

Após este evento da confusão/ressignificação, a mim se apresentou outra frase, a trazida pelo caveleiro 1..,...por falar em cavaleiro, bem mais ou menos 1 ano antes de Dilma Roussef ser afastada por um golpe de Estado, sonhei sobre isso: um cavalo branco passando....e estava escrito sobre o corpo do cavalo a  palavra GOLPE....,..

Voltemos

A frase original

Wir haben die Kunst, damit wir nicht an der Wahrheit zugrunde gehen" 

A verdade é feia: temos a arte para não morrermos da verdade..,..tradução google, segue link para a frase orignal http://www.joanneskesenne.be/en



Buscar a verdade pode até ser atribuição do artistas, o que não é dever dele é encontrar a verdade, ou seja, ao artista interessa o processo, a busca...e aquilo que, durante o processo, a ele se apresenta como arte: aquilo que possa ser ressignificado ou percebido dotado de signficado. A este respeito: "Ressignificação é o método utilizado em neurolingüística para fazer com que p
essoas possam atribuir novo significado a acontecimentos através da mudança de sua visão de mundo" (Wiki).

Já o spin jornalista não pode ressignificar o que se lhe apresenta e sim noticiar, levar ao público o seu achado...sem manipulação, uma vez que sua tarefa não é a de ressignificar.

Em resumo:  o jornalista tem o dever de encontrar a verdade...e mostrá-la ao público
O artista apenas busca...e o belo está na busca...no que se lhe apresenta durante a busca....o processo de busca é o que nos interessa e não o encontro

Apareceu na time line uma frase que me deixou desconfiado:  Temos a arte para não morrer da verdade.
Friedrich Nietzsche.

Segue link para o post na íntegra




Cecilia Cotrim tínhamos, então.

CurtirMostrar mais reações
Responder
1
2 h
José Carlos Lima Spin rssss....pior que é verdade...obgd por camentar te admiro muito..bjs

Responder2 h
José Carlos Lima Spin Obgd por interagir...vou retificar atualizar então...bjs


Eu estava usado o verbo no presente: temos
Temos a arte para que não que não se perca a verdade (Nietzsche)
E Cecília Cotrim chegou interagiu disse: Tínhamos

Por isso atualizei retifiquei para o tempo passado


Tínhamos a arte para que não nos perdêssemos da verdade #Nietzsche

Ou seria Para que não perdêssemos de verdade

Perda ou afastamento? Que duvida A gente se perde ou se afasta da verdade Ou tanto faz Ver através das sequências ou hastags

#perda
#afastamento

Conclusão: afastamento e não perda....pelas hastags

Ao acessar a hastag #perda só vi coisas de morte...

ou seria encontrássemos...

ou seríamos buscássemos: Tinhamos a arte para que buscássemos a verdade...sim uma busca...através da busca... isso #busca #encontro

Sem que houvesse qualquer dever de encontro da verdade através da arte e sim uma busca, um processo...

Aliás, é dever do spin jornalista e não da arte, encontrar a verdade...

Frase definitiva: relativa a #busca e #encontro

Se não me engano foi dito por um spin #deus um ensinamento sobre busca da verdade..

Frase definitiva: tínhamos a arte para que buscássemos a verdade #Nietzsche

Após tantos vai-e-vem ou indecisão achei a palavra oque me agradou ou deixou feliz: a #busca...e não exatamente o #encontro....

Torna-te quem tu és #Nietzsche

Átila De Almeida Ribeiro Mesmo que tu não saibas quem tu és.

Sobre tempo passado, quando tínhamos a arte para que buscássemos a verdade ouça Poema, de Cazuza, pelo spin cantor



Vocês tinham a arte para que não se perdessem da verdade (Nietzsche)
Ou seria para que não se perdessem de verdade

Spinoza era autêntico...mas essa agencia que atende pelo nome de Empiricus é trambiqueira...um dos seus sócios encheu as burras por aqui e depois se mandou prá Portugal, deixando para trás um pais caminhando para uma onda de violência urbana...ele resmungava pra gente "Vai Prá Cuba!" e ai foi pra Portugal cujo governo é de orientação "petista",,,será que foi fomentar um golpe de Estado por lá...

Caravaggio é autêntico

'(...)  Nicola Spinoza, ex-diretor do museu de Nápoles e um dos grandes especialistas mundiais em Caravaggio, concorda com Turquin.

"É preciso ver nesta tela um verdadeiro original do mestre lombardo, identificável quase com certeza, apesar de não termos prova tangível e irrefutável", assinala Spinoza.

http://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2016/04/12/interna_internacional,752159/caravaggio-encontrado-em-sotao-na-franca-e-autentico.shtml

Issso também

Nitzsche é autêntico

https://www.facebook.com/ColunasTortas/photos/a.131246740396996.1073741828.130485653806438/662325310622467/?type=3&theater



No momento são 10:24 do dia 22/05/17...atrasadíssimo para resolver problemas pessoais


ou um desafio eterno: Sísifo.,..

Sim, o post não terminou, pelo contrário, tornou-se como que....sei lá...uma experiência que nunca foi vivida em sua totalidade....no momento temos o que senão o quadro da delação depreciação do outro: é disso que se trata...não sei: como tornar Sísifo feliz, já que se trata de uma tarefa eterna...

Será possível a felicidade sem a perda da lucidez...

Ver com o spin porteiro aqui do prédio, sobre fluidez, ele está lendo o livro A História de Sofia..e eu, nenhum livro..,..tenho problema de fixação na leitura, baixa concentração, falta de foco, estas coisas: ainda preciso descobrir como devo ler

Tarefa: reconstituir antigas sequências, que se perderam com o passar do tempo

Mãe #Preta, a primeira sequência..,..eu deveria ter guardado no escaninho de um armário o que restou daquele cobertor tecido por Mãe Preta...lembro que eu era criança, morava na roça, de onde sai aos 10 anos de idade, em 1969..,...nunca mais tive notícias de Mãe Preta, a parteira da região: ela andava 20, 30, 40, 100 kms a pé para desempenhar sua função de spin parteira...lembro do cheiro de uma erva que el3a colocava na brasa quando o bebê nascia...a testeira vermelha na testa para impedir a entrada de nuvens de energia densa...o caldo de galinha caipira....os tecidos brancos no quarto aonde não podíamos entrar...


Sequência O #Pranto dos Bichos.....dia triste era o sétimo dia após a morte de um boi ou vaca para a nossa alimentação....no sétimo dia, de longe eu ouvia o pranto dos bichos: todo o rebanho se dirigia em prantos para o local onde havia sido morto seu parente...eles choravam furando o chão e jogando terra por todos os lados...

Sequência Ser #Simples..,..coisa da puberdade...uma expressão física...uma postura que consistia em soltar o corpo, respirar, sorrir, isso para ter amigos....escrevia por todo o corpo como lembrete: ser simples...

Sequência Ser #Carrancudo.....coisa da puberdade...uma expressão física...uma postura em que consistia ser mortífero: enrijecer-se como se estivesse engolido uma estaca,..aliás, como é a postura de muitos jovens por ai que temem serem vistos como moles pelo pai o que desencadearia ataques delações depreciações homofóbicas...

A partir dai surgem infinitas sequências...interessante lembrar-me de um sonho agora: um livro arte que consistia em pequenos verbetes como estes das minhas sequências infantis...

Será que você poderia experimentar este processo de viver experimentar a arte como busca....

Quem sabe continue assim você poderá, através da sua linguagem, construir seu próximo lexômetro ou diccionário: cada post um pequeno verbete sequencia hastag...


Sequência  #politica

Idealismo vs materialismo

http://jornalggn.com.br/blog/jose-carlos-lima/idealismo-ou-materialismo-esta-e-a-questao-fundamental

Daniel Ferreira Vaz disse: "A meu ver qualquer matéria pode ser objeto da ciencia ou de experimentos científicos". 
Ótimo - espírito é matéria!!! 
A ignorância espírita é abjeta!!!


DanielIP disse: Prezado deixe de passar vergonha por aqui.
Qual seu problema ? Tem algum trauma de infancia ? Conte-nos qual seu recalque...
Só pode ser algo do tipo.
Censurar também é usado no sentido de desqualificar e não é só realizado pelo judiciário. Portanto a ignorancia é da sua parte.
A palavara "matéria" está colocada no sentide de "tópico" ou "disciplina".
E voce vem pegar isso para vir criticar aqui ? Algo que nada tem a ver com a questão, por simples implicancia ?
Sugiro análise para curar seus recalques.
Spin disse: A minha ciência, ou seja, o meu método de conhecimento e de aprendizado: o indiciário, o dos sinais, as sincronicidades, as conjecturas, o empírico, o caso. Num sonho apreendi que tudo começou com um ponto que virou reticência.  Esta frase serve para idealistas e materialistas. Mas não sei...

Anônimo: Alguém poderia me dizer o que é Paradigma indiciário?


O paradigma indiciário, por Mila All, no Yahoo Respostas

Esse paradigma, segundo Ginzburg, tem raízes muito antigas, que remontariam à própria evolução da humanidade.

"Por milênios o homem foi caçador. ... Aprendeu a farejar, registrar, interpretar e classificar pistas infinitesimais como fios de barba. Aprendeu a fazer operações mentais complexas com rapidez fulminante, no interior de um denso bosque ou numa clareira cheia de ciladas.
Gerações e gerações de caçadores enriqueceram e transmitiram esse patrimônio cognoscitivo. ..."

O paradigma indiciário se traduz em "um saber de tipo venatório", caracterizado pela capacidade de, a partir de dados aparentemente irrelevantes, descrever uma realidade complexa que não seria cientificamente experimentável. Pode-se acrescentar que esses dados são sempre dispostos pelo observador [um caçador, p.ex.] de modo tal que possa se traduzir numa seqüência narrativa, cuja formulação mais simples poderia ser "alguém passou por aqui". Ginzburg acredita que a própria idéia de narração (contar uma história, descrever situações e comportamentos), distinta de outras formas de expressão, como o sortilégio, o exconjuro ou a invocação, tenha nascido numa sociedade de caçadores, a partir da experiência da decifração das pistas:

"... O caçador teria sido o primeiro a "narrar uma história" porque era o único capaz de ler, nas pistas mudas (se não imperceptíveis) deixadas pela presa, uma série coerente de eventos.
... Decifrar" ou "ler" as pistas dos animais são metáforas. Sentimo-nos tentados a tomá-las ao pé da letra, como a condensação verbal de um processo histórico que levou, num espaço de tempo talvez longuíssimo, à invenção da escrita."

Abraço.

Mila All, no Yahoo Respostas


http://jornalggn.com.br/noticia/ha-provas-cientificas-da-existencia-dos-espiritos-parte-v-por-marcos-villas-boas


Um papo com Cláudia

Brasil: quadro atual

https://josecarloslima.blogspot.com.br/2017/05/um-bate-papo-com-claudia.html

Voltando às sequências não relativas ao mundo cotidiano ou ordinário...se bem que, em se tratando de sequência, tudo é divino, de forma que não há como deixar de lado o mundo ordinário, muito pelo contrário....a divisão é produto de lembranças do passado presente....

Sequência #ponto....esta sequência começou a partir de um sonho que me trouxe a frase: tudo começou de um ponto que virou reticência....como se vê, uma frase para idealistas e materialistas...,...trabalhei e muito sobre esta questão mas não guardei, joguei fora, não sei se o meu amigo Alexandre Pereira guardou alguma coisa, trabalhamos juntos esta sequência sobre o ponto.

Os Bichos de Lygia Clark: A linha para a Participação na Arte, por Pâmela Gularte Santa Maria/ Salto do Jacuí, RS, Brazil Cristã, Jovem Adventista do 7º Dia, Estudante de Artes visuais na UFSM. Artista Viajante. Desenho, blogs, música, criação textual.

Não me interessa quem a autora e sim que gostei do texto dela sobre a artista

"(...) Este texto apresenta aspectos da obra de Lygia Clark, em especial da série “Bichos”, esculturas metálicas articuláveis que propõe a participação do observador, fazendo de sua autora, uma das pioneiras da arte participativa internacionalmente. Pretendemos investigar o trabalho da artista, situando as obras em seu processo de criação e no contexto contemporâneo.
A pesquisa desenvolve-se inicialmente através do levantamento de dados biográficos, textos críticos, e imagens das obras de Lygia, em seguida analisamos a trajetória da artista para tratar de processo, nos detendo na série bichos para identificarmos os traços do neoconcretismo e o surgimento da participação e interatividade na arte contemporânea.
Os Bichos, dentro das artes visuais, são o que podemos chamar de “a obra prima” de Lygia Clark. Pois é esta série que a consagra a melhor escultora brasileira em 1961. Unindo neles as heranças concretas da geometria e construtivismo, e movimentos orgânicos através das dobradiças, Clark pretende dar vida às suas obras sempre seguindo as sugestões e possibilidades encontradas no diálogo com a linha orgânica por ela descoberta(...)"

http://sonhosealegrias.blogspot.com.br/2010/12/os-bichos-de-lygia-clark-linha-para.html

Engraçado, eu estava tentando me lembrar do sonho desta noite, me lembro que se me foram apresentados grandes lençóis ao vento e, ao procurar busca na web por Umberto Eco e Obra Aberta, isso se me apresentou:

Sete amigos se envolvem em uma luta contra um demônio que encontraram trinta anos atrás, durante a infância na cidade de Maine. Inspirado no livro de Stephen King.


Primeiro episódio18 de novembro de 1990



Resultado de buusca por Obra Aberta....

"(...) Quais são as chaves para interpretar os textos de Edgar Alan Poe? Seus contos são românticos e absolutamente modernos. Mais que isto, eles são e não são intencionalmente abertos. Poe nunca indicou as chaves de suas obras. Mesmo assim sua literatura foi construída de maneira à se reconstruir de múltiplas maneiras em razão de ser fantástica. Encontramos um fecho para o conceito de obra aberta de Umberto Eco?
Uma das questões mais intrigantes da arte sempre foi a motivação do artista. Vaidade ou necessidade, o ato de criar é sempre uma maneira que o artista encontra de projetar sua personalidade no presente e no futuro. A obra condiciona de certa maneira o tempo, moldando-o às suas imagens. As relações entre arte e memória merecem ser pesquisadas. Os resultados destas pesquisas irão interferir na estética e no conceito de obra aberta.
Umberto Eco sugere que as teorias da relatividade e quântica são responsáveis pelo surgimento da obra aberta. Digamos que ele está certo... Neste caso devemos perguntar: O que será da arte e da obra aberta em razão das teorias do caos? A física do início do século XX desestruturou o mundo apenas porque pretendia o reestruturar de outra maneira. As teorias do caos desestruturam todas as teorias físicas e não estão particularmente interessadas num modelo de estruturação do mundo. Assim, não há dúvidas de que elas desestruturarão a arte de tal maneira que a obra se tornará instantânea e a crítica impossível. Arte e fruição se confundirão de tal maneira que só a contemplação da própria contemplação será possível. Mas esta é uma tradição milenar budista, de maneira que não podemos considerá-la moderna. A  orientalização da arte ocidental implicará na destruição da própria arte como a conhecemos?
Nunca é demais frisar que Eco distingue a abertura de toda obra de arte da obra aberta. A obra aberta seria caracterizada pela incorporação intencional da ambigüidade no processo de criação. A obra em movimento é aquela que deixa ao consumidor a possibilidade de escolher dentre as seqüências possíveis. A citação de Pareyson é primorosa, pois coloca claramente como se articulam as relações entre a obra, a crítica e o crítico. Como vimos anteriormente, ao defender que a teoria da relatividade foi responsável pelo surgimento da obra aberta, Umberto Eco nos conduziu à necessidade de questionar os efeitos das teorias do caos sobre a estética. A estética da contemplação estática, que decorre dos efeitos da teoria do caos sobre a arte e a obra aberta, reduzirão as observações judiciosas de Pareyson a palavras vazias. Urge supera-lo(...)
Segue link para texto na integra
http://jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/a-obra-aberta-de-umberto-eco
Há mais coisas entre o céu e a terra do que imagina a nossa vã fuki=== ixi, eu quis dizer filosofia, esse teclado está horrível...
Ciência vs preconceito: mais sobre o método conjectural de Carlo Ginzburg

Ementa: O presente artigo trata do importante papel do paradigma indiciário no interior das ciências humanas e de sua estreita relação com a semiologia médica. O autor procura mostrar que assim como o médico produz seus diagnósticos observando, investigando os sintomas, assim muitos outros saberes indiciários produzem um conhecimento lendo e interpretando os sinais, as pistas e os indícios.  

http://www.historiaecultura.pro.br/cienciaepreconceito/instrumentos/sinais.pdf
E ai fiquei atento ao erro, ou seja, à palavra Fuki,,,...vai que se trata de uma sequência....sei lá, essa coisa de considerar o erro apenas um lixinho a ser removido...que tal considerar o erro e...pesquisar continuar sequenciar...foi o que fiz



eu queria lhe passar um link e dizer-lhe: não me responda...e a pergunta era: o que significa juki sic fuki....a resposta no final do post..em construção...

kk.kkkkk......ah que tosse...por falar nisso ele sumiu...no natal ele disse: oi zé....e respondi em fevereiro pq ele entrou em contato com o celular do personagem que fica numa gaveta...ai respondi..oi...e o inseri numa lista de destinatário e sumiu....kkkkkkkkkkkkkkkk.............foi até bom, pois na verdade eu estava era morrendo: fungos na arte....no momento fujo de dejetos sic objetos de arte como o diabo foge da cruz...fui...,,mas dá um abraço nele no cão...pode ser em qualquer um...na sua spin canina por exemplo...acho que estou é variando na tl alhei que não me pergence...perrence....ai a..erro erro erro...por falar nisso sonhei com o sentido do erro: bastar eliminar o lixinho que o que presta aparece...e nada como o riso...e por fala nisso, disse que não podemos rir diante das obras, das nossa próprias obras, mas o que ocorre é que ontem peguei-me no flagra rindo da minha própria obra,s e bem que naquelas alturas do campeonato a obra já não era minha e sim de outra pessoa, um spin cartesiano que me disse: zé carlos eu nunca mais como nada da sua geladeira...vc é autista e precisa de internação. ...eu: o que foi chicho...ele: eu fiquei ontem a sua disposição pra te ajudar....vc vai trabalhar e fico na sua casa...e a mulher que veio arrumar sua casa me disse uma coisa horrivel...eu: o que foi...ela: ela me disse que você guarda há meses uma barata dentro da geladeira e que ninugém pode mexer porque é a arte...eu: kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Continuar os estudos sobre o método conjectural de Carlo Ginzburg

Nenhum comentário:

A História do SPIN